PM lança nota de repúdio após Comandante da Polícia Militar de SJB ser detido pela DEIC em Florianópolis

  • Redação Clubei

PM lança nota de repúdio após Comandante da Polícia Militar de SJB ser detido pela DEIC em Florianópolis

Na noite desta terça-feira a Acors (Associação de Oficiais Militares de Santa Catarina), divulgou nota de repúdio a ação da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC), que deteve o Comandante da Polícia Militar de São João Batista Tenente Paulo Renato Farias. A Associação cita “brigas e ranços” pessoais que acabam interferindo na prestação de serviço à sociedade, a qual todos juraram servir.

O tenente Paulo Renato Farias esteve na Sede da DEIC à paisana e tentava participar da entrevista coletiva onde foram apresentados dados e informações sobre a operação da DEIC em São João Batista, que terminou com três mortos, quatro detidos e outros quatro foragidos. O Tenente foi impedido de participar da Coletiva e mesmo após se identificar foi levado à uma sala, onde ficou detido e acusado por resistência a prisão e por ter se negado a se identificar.

O caso rapidamente ganhou repercussão e um oficial da corregedoria da PM esteve no local para entender o que estava ocorrendo, como o Tenente se recusou a assinar um termo circunstanciado onde reconheceria culpa nas acusações a ele impostas, foi levado à Sede do Batalhão em Balneário Camboriú, e terá uma audiência de custódia ainda hoje onde a situação deve ser resolvida.

CONFIRA A NOTA NA INTEGRA

“A ACORS – Associação de Oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, vem a público manifestar seu descontentamento com a forma como Policiais Civis da DEIC trataram um Oficial da Polícia Militar, impingindo infração penal que não existiu e utilizando argumentos inverídicos. Os aspectos que envolveram a detenção do Oficial da Polícia Militar serão solucionados rapidamente, pois o Oficial não cometeu crime algum. Porém, ele tentava entender o porque, como Comandante do Pelotão da Polícia Militar no município de São João Batista, não foi informado de que a DEIC faria uma operação, naquele município, para a captura de uma quadrilha de assaltantes de banco fortemente armados. A ação da DEIC colocou em grande risco não somente pessoas daquela comunidade e os Policiais Militares que foram pegos de surpresa com a troca de tiros, mas principalmente os próprios Policiais Civis que participaram da operação, pois, para um momento daqueles, como saber quem é o “mocinho” e quem é o “bandido”. Infelizmente brigas e ranços pessoais estão interferindo na prestação do serviço à sociedade, e poderão gerar outros fatos desnecessários entre as instituições. A ACORS não coaduna com essa forma de agir da DEIC, pois a única prejudicada será a sociedade, a qual juramos servir, e buscará na justiça os direitos do Oficial pelo constrangimento que passou.

Créditos imagem/ndonline.com

Deixe seu Comentário

Sua opnião é importantíssima para continuarmos a melhorar nosso trabalho.