Bruscão vence Chapecoense

  • Redação Clubei

Bruscão vence Chapecoense

Emocionante é pouco para definir o que aconteceu no Augusto Bauer na tarde deste sábado. Com gol no instante final, o Brusque venceu a Chapecoensepor 2 a 1. A partida teve expulsão de goleiro, pênalti perdido e determinação total dos atletas quadricolores. Agora, o Bruscão ganha moral para a primeira partida da Copa do Brasil, contra o Remo, na quinta-feira.

Etapa de emoções

Foram 50 minutos de emoções à flor da pele. O primeiro tempo de Brusque e Chapecoense valeu o ingresso desde os instantes iniciais. Diferente das apresentações anteriores no Augusto Bauer, o Bruscão soube jogar e principalmente, se defender nos primeiros quinze minutos.

A Chape foi o maestro que regeu o espetáculo na primeira parte da etapa inicial. Contando com boas atuações principalmente de Rossi e do lateral Zeballos, o time dava sufoco para o quadricolor. O jogo virou somente aos 22 minutos. Aí os donos da casa, no impulso da grande torcida presente no Gigantinho, começaram a dar perigo para Arthur Moraes. Em uma bela triangulação, Ricardo Lobo fez lindo lançamento para Belusso, mas o goleirão da Chape tirou ela com a mão fora da área. Levou o cartão vermelho direto e deixou seu time com um a menos.
Aos 26 minutos, finalmente a torcida viu bola na rede – e após uma jogada de qualidade. Willian tocou para a entrada da área, Lobo recebeu passe na entrada da área, limpou e chutou lá no cantinho, indefensável para Elias, que havia acabado de entrar na partida devido a expulsão de Moraes.

Até os 40 minutos, o Bruscão chegou muito perto do segundo gol, mas os impedimentos foram muitos. O auxiliar trabalhou bem o braço no Augusto Bauer, com quatro impedimentos aplicados ao Brusque em apenas cinco minutos. Aí a Chape passou a crescer e, mesmo com um a menos, alcançou o empate. Em cobrança de escanteio, a bola pingou no chão e tocou na mão de João Carlos, lateral que estreou na partida. O árbitro viu pênalti e marcou. Wellinton Paulista marcou com categoria: Rodolpho para a direita, bola para a esquerda. Mesmo com o um a um no placar, a torcida aplaudiu o time no apito final do juiz dentro do primeiro tempo.

Vitória na garganta

A grande torcida presente no Augusto Bauer comandou a busca pela vitória. Mas foi a Chape quem teve a chance de virar o placar. Aos 21 minutos, a bola foi jogada para a área e Mineiro tocou com a mão nela. Wellinton Paulista teve mais um pênalti para cobrar, e teve a chance de se consagrar na partida. Mas não foi o que aconteceu: ele cobrou ela no travessão e desperdiçou.

O lance colocou apenas mais carvão na torcida que já pegava fogo. Embalados, os atletas em campo pressionaram o tempo todo pelo segundo gol, mas ficava difícil com o esquema defensivo de 10 atletas dentro da área. As tentativas foram rechaçadas uma a uma, mas o incansável Bruscão foi inapelável. Aos 48 minutos do segundo tempo, a bola foi alçada para Carlos Alberto e ela sobrou com Eliomar que empurrou para as redes. Delírio total nas arquibancadas do Gigantinho, principalmente na sequência, quando o árbitro determinou o final de partida.

Matéria e Informações: Cristóvão Vieira – Site Município Dia a Dia

Deixe seu Comentátio

Sua opnião é importantíssima para continuarmos a melhorar nosso trabalho.