A perseguição ainda não acabou

  • Redação Clubei

A perseguição ainda não acabou

A perseguição política ainda é, infelizmente, o mal impetrado na sociedade moderna, principalmente na cidade que é a capital catarinense do calçado. Talvez de nada adiante então, pregar um discurso de vanguarda, paz, mudança, ou o simplesmente se respeitar a democracia, se nos porões, nas alcovas, a promiscuidade baixa dos bastidores políticos é praticada ao contrário. Tudo pelo simples fato de se tentar conquistar aquilo o que nas urnas não foi obtido, querendo assim o poder a qualquer custo, pelo menos esta é a impressão que se tira dos fatos registrados na nossa cidade, sendo assim mais uma vez o município de São João batista ganha um destaque negativo no mundo da política, colocando o povo em um cenário de indecisões sobre o futuro da sua cidade.

Nesta segunda-feira, dia 07, deverá ser julgado no TRE (Tribunal Eleitoral Regional), em Florianópolis, o processo que envolve o prefeito Daniel Neto Cândido e seu vice Pedro Alfredo Ramos, o processo é mais um, movido pela Coligação São João Batista em Boas Mãos e pelo Partido Progressista do município, os quais saíram derrotados nas últimas eleições municipais.

No processo, a coligação de oposição afirma que houve a distribuição de recursos públicos ao Sindicato das Indústrias Calçadistas de São João Batista (SINCASJB), em período vedado, no caso em ano eleitoral. O dinheiro, que já é tradicionalmente repassado desde o ano de 2005, seria uma ajuda da administração para custear a realização das feiras, as quais reúnem empresários de todo o Brasil com o intuito de promover o calçado batistense e garantir desta maneira a sustentabilidade do setor.

Sendo assim, a coligação de oposição, acabou formulando a denúncia a justiça eleitoral que já em primeira instância foi julgado improcedente pelo Juiz da zona eleitoral de São João Batista, que após tomar conhecimento da acusação e também da defesa, relatou o seguinte parecer. “Registra-se que o Município de São João Batista goza do título de “Capital Catarinense do Calçado”, a teor da Lei Estadual n. 12.076/01. A par do admicículo histórico, tem-se que desde os idos de 2005 (fls. 79 e ss.) consolidou-se a prática de contemplar, todos os anos, o Sindicato das Indústrias Calçadistas de São João Batista com o repasse de verbas públicas, por meio de lei de iniciativa do chefe do executivo, como forma de fomentar a promoção social (gerar novos empregos e aquecer o mercado interno), o que se adequa à intelecção das exceções insertas no art. 73, parágrafo 10º, da Lei n. 9.504/97, porquanto não há ilicitude na continuidade de programa de incentivo iniciado antes do embate eleitoral (TSE. RO 2233, Rel. Min. Fernando Gonçalves, j. 16-12-09). Nesse contexto, não se visualiza prática vedada, promoção pessoal ou desequilíbrio eleitoral. JULGO IMPROCEDENTE o pedido formulado pela Coligação São João Batista em Boas Mãos e pelo Partido Progressista de São João Batista contra Daniel Netto Cândido e Pedro Alfredo Ramos”.

Não satisfeita com a decisão do magistrado, à coligação de oposição recorreu da sentença, desta vez, para o TRE (Tribunal Regional Eleitoral), na capital, e nesta segunda-feira (07), o caso deverá ser julgado novamente, agora em segunda instância. O pedido no processo é para que Daniel e Pedroca tenham o registro de candidatura e diploma cassados e também que sofram a aplicação de multa.

Agora o que parece ser estranho, é de que o repasse de recursos da prefeitura para o Sindicato, como já relatado acima pela justiça, deixa claro que o ritual já existe há quase 12 anos no município. Inclusive destaca-se que tudo começou no mandato do ex-prefeito Aderbal em 2005 e seguiu com o prefeito Daniel, que inclusive em seu mandato, aumentou o valor do repasse, por entender realmente que é extremamente importante incentivar a indústria calçadista.

Outro fator que precisa ser levado em conta é o fato do nome do vice-prefeito Pedroca também estar incluso, pois mesmo não fazendo parte do governo municipal na época do repasse, ele, segundo a denúncia da coligação São João Batista em boas mãos, como foi candidato à vice na chapa de Daniel nas eleições acabou também sendo denunciado no processo.

Por fim, São João Batista não suporta mais, talvez este seja o sentimento de cada Batistense que sonha com uma cidade que tenha sua a principal atividade econômica, o calçado, indo a passos largos, pois só assim, mais empregos serão gerados, haverá mais renda e riquezas para nossa cidade. É óbvio, que o intuito de cada administração que passou é trabalhar no sentido de contribuir com o setor calçadista. Afinal, a cada momento que um novo pedido é feito, se garante também ao povo o seu emprego, e é exatamente este trabalho que faz a cidade crescer e avançar. Por isso, ecoa aos quatro cantos do município que se acabe a briga política, a rixa partidária, que cheguem ao fim os processos e discussões medíocres que tem somente um intuito, o poder, mas que deixam sequelas em toda uma comunidade que apenas deseja que a sua vontade seja respeitada.

Foto: Divulgação

Deixe seu Comentário

Sua opnião é importantíssima para continuarmos a melhorar nosso trabalho.